Donos de cães acusam adestrador de dar golpe

As vítimas acabaram criando um grupo na internet para alertar outras pessoas

Paulo José Pereira Alves é acusado de dar golpes em donos de cães

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a população de cães ultrapassou os 700 mil animais em 2013 no Amazonas e a expectativa é de crescimento a cada novo Censo. Mas, não é só a população canina que vem aumento. Os golpes envolvendo os donos de animais também estão em alta. Os golpistas descobriram que há possibilidades lucrativas nesse segmento.

O mais comum hoje é o chamado golpe do adestrador. O golpista divulga fotos e informações nos aplicativos de compra na internet como uma espécie de isca. As informações dão conta de que é possível adestrar em pouco tempo os animais e que as aulas iriam garantir um bicho mais sociável com a família e feroz com os intrusos, mas é tudo mentira.

Thalita e Wenderson Alves são autônomos e procuraram o serviço de adestramento para cães porque têm em casa um cão da raça Dobermann e uma criança de pouco mais de um ano. Para aumentar a segurança no relacionamento do animal com o filho e visando proteção da casa decidiram que iram contratar o serviço. “O meio escolhido para isso, foi um aplicativo de compra e venda instalado no celular. Após receberem fotos e vídeos marcamos uma reunião com um dos adestradores que dizia morar no bairro Planalto e fechamos um pacote mensal no valor de R$ 400,00. Após o pagamento, o homem simplesmente desapareceu,” afirmou Thalita.

A história se repetiu com o funcionário público Artur Araújo de 41 anos. Ele tem uma cadela chamada tulipa de 8 meses e queria que com o adestramento, o animal de estimação atendesse melhor aos comandos dele e da família. “Foram várias desculpas, ele dizia que tinha torcido o tornozelo, o carro tinha dado problema ou que a a chuva não tinha permitido ele de sair de casa. Isso até eu decidir criar um alerta no próprio aplicativo de compra e venda no celular, e foi quando outras pessoas em situação semelhante, começaram a fazer contato ”, destacou Artur.

Depois de perceberem que tinham caído em um golpe, as vítimas fizeram boletim de ocorrência e decidiram se reunir para tentar avisar outras pessoas. Pelo menos vinte pessoas teriam caído no golpe do adestrador. Porém nem todos registraram a ocorrência na delegacia por medo de represália já que o acusado diz em seu anúncio que foi adestrador do exército em São Paulo. O homem continuam em liberdade e neste momento, pode estar enganando outra pessoa.

Thalita Alves e Artur Araújo alegam ter caído no golpe

Crime de Estelionato

Para especialistas ouvidos pela reportagem esse é um caso claro de estelionato. A pena máxima é de cinco anos de prisão, a prescrição é de doze anos para se fazer a ocorrência na delegacia e de três anos para pedir a responsabilidade civil ou indenização na justiça. A primeira coisa a se fazer é pedir prova de endereço e patrimônio para fazer constar no boletim de ocorrência na delegacia e outra providência a se fazer é alertar a coletividade.

O Acusado

O acusado mencionado na reportagem é Paulo José Pereira Alves que se intitula doutor pet. Tentamos falar com ele por telefone, mas quando nos identificamos, ele desligou a ligação. Com um novo boletim de ocorrência registrado nesta semana, a polícia civil alega que já tem elementos necessários para dar continuidade ao procedimento legal. Paulo será intimado e deve se explicar na delegacia e pode ter inclusive a prisão preventiva solicitada pela autoridade policial. A polícia pede para que outras possíveis vítimas comparecem ao Distrito Integrado de Polícia mais próximo para o registro da ocorrência.